Hipérboles e céus

11 abr

Algo como poder tocar o mar e sentir as nuvens. Como se voltar os ponteiros do relógio retrocedesse o tempo. Essa sensação.
Sentir o ar frio das montanhas e girar, dançar com o vento. Quando não faz diferença a areia no calçado, ou o barulho perpétuo de ambulâncias. É aí, nesse ponto, nesse momento. O equilíbrio. O balanço perfeito entre hipérboles e céus.
O contraste indiscutível entre as amoras e os beija-flores. A imensidão. Onde o eco não tem fim e nem começo.
Onde nada está além do que foi dito. Onde o que foi dito já é o além.

Uma resposta para “Hipérboles e céus”

  1. MissCook abril 11, 2007 às 7:04 pm #

    Nunca li nada seu tão poético!!! Ficou muito lindo, nossa!!!
    Tornou-se o meu preferido, de longe!!!!!!! Nooooossa!!!!!!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s