Não repara a bagunça

4 set

Ele a convidou para entrar. Ela sorriu. “Não repare a bagunça”. Inevitável, já da porta via-se acúmulos. E então ela entrou em seu coração. No terceiro passo adentro já começou a mexer nas coisas e, mais do que depressa, ele gritou “ei, deixa isso aí, deixa tudo como está, por favor, gosto da minha confusão”.
Então, como sempre, ela o ignorou, organizou tudo e ele nunca mais encontrou nenhum sentimento antigo, especialmente os ruins.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s