Arquivo | dezembro, 2012

Ao fim

17 dez

Ao fim
da secura penosa da alma,
da brancura chata do tempo.

Lava na chuva, deixa pegar vento!
Deixa nas mãos do sol,
que ele colore o que há por dentro
[e por fora também.

Anúncios